sábado, 31 de dezembro de 2005

É Tábua Mas Não É Pau

os topónimos com base em "Tábua" são muito frequentes na Galiza e em Portugal, e também aparecem no Brasil. podia pensar-se que tivessem origem latina, mas por essa safra linguística não vamos muito longe nem muito acertadamente. há quem diga, para dar que fazer ao latim, que estes topónimos teriam origem em antigas pontes de pau para atravessar o rio - onde o houvesse. porém, se assim fosse, diz o costume que a terra se chamaria "Ponte", "Pontão", talvez até "Barca", mas não "Tábua". e que todas as "Tábuas" e seus derivados teriam que ter um rio, o que não estou muito certo de ser verdade. quando cá chegaram os romanos já havia muita gente por aqui e não consta que as terras estivessem à espera que os romanos lhes botassem nome, especialmente se o já tinham.
por isso, vou pela hipótese de "Tábua" e seus derivados já existirem antes do latim e terem o significado de "Chão", Chã", "Terra Chã", terreno plano ou planáltico - o que parece condizer com uma boa dúzia desses topónimos que eu conheço.
e como a toponímia é o lugar geométrico de todas as coincidências linguísticas, pode até suceder que tábua signifique mesa: plano alto, pequeno planalto (Cf. "Meseta", Es.)
não visitei pessoalmente todas as terras com topónimos como estes que se seguem, mas se o que eu digo for verdade haverão que ter em comum o serem planas ou quase planas, em contraste com a orografia envolvente:

Taboaças ou Taboazas (Gz.)
Taboada (Gz.)
Taboadela (Gz.)
Taboadelo (Gz. e Pt.)
Taboado (Gz.)
Taboao da Serra (Br.) (obrigado, João Lopes Ribeiro!)
Táboas (Gz.)
Taboeira (Gz. e Pt.)
Tabosa (?)
Tábua
Tabuaça
Tabuaças


Tabuaço (foto)


Tabuadelo
Tabuado
Tabual
Tabuão (Br.)
Tábuas
Tabuínho
Tabuladelo
Tabulado
Tabulados
Tabuleiro (Pt. e Br.)
Tabulosa


nota: a grafia tabu... em lugar de tabo... não está autorizada pelos antecedentes linguísticos destes topónimos




sexta-feira, 30 de dezembro de 2005

Britos, Briteiros e Bretonhas

naquele tempo em que o Império Romano rompia pelas costuras, os povos Escoto e Picto da Escócia resolveram aproveitar-se do vazio da Pax e passar a dominar toda a Britannia. os Bretões ou Britos, vendo a casa a arder por dentro, chamaram em seu auxílio a gente de fora. como é bom de ver, a ajuda de fora é mais fácil de chamar que de aturar. em consequência desse acto pouco reflectido, a Britannia foi infestada de gente que nunca lá devia ter entrado: os Anglos, Frísios, Jutos e Saxões, que bem souberam valer o preço dessa ajuda. e os Britos, não tendo remédio melhor, fizeram-se ao mar, para o sul, às Gálias e Galécias, em busca de sossego e segurança. onde assentaram deixaram na toponímia a sua marca étnica, afinal a mesma que predominava nestas regiões celtas irmãs do Continente. e trouxeram a gaita com eles. onde haja Bretagne (Fr.), Bretanha (Pt.), Bretonha (Gz.), Briteiros, Britiande (?), Britelo, Brito, é uma terra-irmã, armórica, galega ou portuguesa, que eles adoptaram como nova pátria.
...e mais ano menos ano, chegaram por essa hora os Suevos, que tamém abancaram por aqui - chamando a si o governo da Xunta da Grande Galiza, com a bênção dos Godos da Meseta.


quinta-feira, 29 de dezembro de 2005

Topónimos Terminados em "ô"

são topónimos diminutivos masculinos de outros topónimos. provêm do diminutivo latino tardio em -olo. em trás-os-montes há formas arcaicas em -oulo / -uolo, como "Palaçoulo"/"Palaçuolo" (Mir.), em lugar de "Paçô".
são menos frequentes do que os topónimos terminados em "ó".

exemplos:

Avô - do grupo "Ave"
Barrô (pronunc. "Bàrrô")

Gestaçô
Mosteirô
Paçô (pronunc. "Pàçô") (diminut. de "Paço", Paaço, Palácio)
Sequeirô
Travassô
Urrô



segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

Là Sù, Là Giù

"Jusão" e "Jusã" provêm do lat. tardio e significam "o/a de baixo". "Susão", "Susana" e "Susã" vêm do lat. da mesma época e significam "o/a de cima". estão muito representados na Galiza e em Portugal, com variantes.

podemos apontar aqui os seguintes topónimos:

Aldeia de Juso (o mesmo que Aldeia de Baixo)
Arcas de Susãs (o mesmo que Arcas de Cima. Arcas=Antas?)
Outeiro Jusão (o mesmo que Outeiro de Baixo)
Paço de Jus (o mesmo que Paço de Baixo. Paço=Palácio)
Pereira Jusã (o mesmo que Pereira de Baixo)
Portela de Jusão (o mesmo que Portela de Baixo)
Portela Susã (o mesmo que Portela de Cima)
Susá (Gz.)
Susã
Susana (Gz. e Pt.)
Susao (Gz.)
Susão
Susaus (Gz.)
Viladesuso ou Vila de Suso (Gz.)
Vila Jusã (o mesmo que Vila de Baixo ou Quinta de Baixo)
Vilasusá ou Vila Susá (Gal.) (o mesmo que Vila de Cima ou Quinta de Cima)
Vilasusán (Gz.) ou Vila Susan ou Vila Susã (o mesmo que Vila de Cima ou Quinta de Cima)



Mais Terras Planas

além de "Chã", "Chá" (Gz.), "Chão", "Chelo", "Chenlo" (Gz.) e "Chelinho", encontramos por aí (Gz. e Pt.) topónimos que realçam o caráter plano de uma povoação ou de um terreno em contraste com a orografia envolvente. É o caso dos derivados femininos de planarium, planaria, como "Chaira" (Gz. e Pt.), "Cheira" (Gz. e Pt.) e "Cheirinha". na região de Miranda do Douro surgem topónimos mais arcaicos, como "Chana", "Chanas" e "Chaneira".
"Chelas", feminino plural de "Chelo", poderá significar "pequenas chãs" dispostas ao longo de um vale, como é o caso da "Cheira" e do "Chelo", de Penacova.
há que dizer aqui que o que diferencia "Chão" de "Chelo" e de "Chelinho", "Chã" de "Chelas" e "Cheira" de "Cheirinha" não é a dimensão absoluta do terreno, mas sim o termo de comparação utilizado pela população que lhe deu o nome.

poderemos , então, elencar uma série de topónimos que se referem a um terreno plano, independentemente da sua dimensão:

A Chaira das Corças ou A Chaira das Corzas (Gz.)
Alter do Chão
As Chairas (Gz.)
Campos de Cheira
Casais das Cheiras
Casal da Cheira
Chã da Ilha
Chã da Lama
Chã do Boi
Chaela - informação de Carlos Durão
Chaila - informação de Carlos Durão
Chainça (Pt. e Gz.) (ver comentº)
Chainza (Gz.) o mesmo que Chainça
Chaira (Gz. e Pt.)
Chana (Mir.) o mesmo que "Chã"
Chanas (Mir.) o mesmo que "Chãs"
Chandrexa (Gz.) (?)

Chandrexa de Queixa (Gz.) (?) - segundo o meu amigo Carlos Durão, Chandrexa pode significar Chã de Eireja ou Ereija, ou Igreja. seria, pois, "chã da igreja".

Chaneira (Mir.) o mesmo que "Cheira"
Chanos (Mir.) o mesmo que "Chãos"
Chão da Capela
Chão d'Ave
Chão da Feira
Chão da Vã
Chão da Velha
Chão de Casados
Chão de Couce
Chão de Espinho
Chão do Ancinho ("Ancinho" é hidrónimo?)
Chão do Bispo
Chão dos Santos
Chãs d'Égua ("Égua" é hidrónimo?)
Chãs de Tavares
Chãs de Viseu
Chãs Grandes
Chaveã ou Chavean (Gz.) (?)
Cheela - informação de Carlos Durão
Cheira (Gz. e Pt.)
Cheiras
Cheirinha
Cheirinho
Cheirinhos
Chelas
Chelo (Gz. e Pt.)
Chenlo (Gz)
Fonte da Cheira
Foro da Cheira
Maçal do Chão
O Chao (Gz.)
Outeiro da Cheira
Quinta da Cheira
Rebordochão
rua da Fonte da Cheira
Terra Cha (Gz.)
Vila Chã
Vila Chã da Beira
Vila Chã de Barceosa
Vila Chã de Sá




quinta-feira, 22 de dezembro de 2005

O Topónimo Chelo

presente na toponímia galega e portuguesa, é o diminutivo planellum de planum: "plano", "chão". é, pois, um topónimo diminutivo de um outro topónimo, "Chão".
encontra-se onde um pequeno plano, suficiente para albergar um povoado, contrasta com um terreno irregular, de montes e vales. existe a forma "Chelo", "Chenlo" (Gal.) e o duplo diminutivo "Chelinho" (pronunc. "Chèlo", "Chèlinho"). experimentem passar por este interessante lugar , com o cuidado de não tropeçar nas vírgulas nem na ortografia

quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

Esta Quadra de Natal, Essa Festa do Sol

no hemisfério norte, e quanto mais a norte mais assim, esta época do ano é fria, as noites são grandes, o sol é fraco. a natureza está adormecida. cada dia que passa a noite é mais comprida e o dia quase nada. o sol está doente. parece que em breve sucumbirá e tudo vai ficar escuro e frio. a neve estende o seu manto branco por toda a terra, ferindo a vista com seu brilho penetrante, imenso, gelado. a morte deve ser assim, gelada, imensa, sem ontem nem hoje.
mas eis que tudo vai mudar. parece que a noite começa a encolher, dia para dia uns minutos, meia hora, uma hora inteira. o sol invencível já não morre, ganha força de novo, renasce.
vamos festejar, porque este ano, afinal, é como o ano passado e o ano anterior e ainda o outro que se foi. a natureza precisa de passar por aqui, como precisa da primavera, do verão e do outono. aqui, no hemisfério norte. porque a terra não tem uma verdade igual para todos. do pólo norte ao sul, do equador aos trópicos, cada terra tem sua verdade e cada verdade seu ciclo.
o natal é a festa do natalis solis invictus - o nascimento do sol invencido, no dizer dos romanos. assim também a cidade de Natal, quente, ensolarada, passeando na praia e a tremer de insolação na noite de natal: é "a cidade do sol"

sábado, 17 de dezembro de 2005

"O Deus da Fonte Pelo Qual Se Jura"

a crer na tradução arrevesada que J. Leite de Vasconcelos fez da inscrição da Fonte do Ídolo, em Braga, Tongoe Nabiago seria um deus: "o deus da fonte pelo qual se jura". e, sendo um deus, o seu nome em língua celta teria aquele significado abstruso. alá é grande: não há deuses, divindades ou manifestações divinas com semelhantes nomes. e nem é certo que Tongoe Nabiago seja o nome de um deus.
vou por outro lado.
o monumento mandado fazer por Celico Fronto Abimogido Arcobrigense, na fonte da Rua do Raio, naquela época de celtas sob domínio romano, parece a representação de um baptismo ritual, que só não se refere a João Batista e ao baptismo de Cristo porque nenhum deles tinha ainda pensado vir ao mundo. de resto, nada lá falta: a água, a pomba, o delta, aquele que baptiza, aquele que é baptizado, eu sei lá.
que sentido faz isto em Braga? Braga é a cidade do "S. João", da festa do solstício de junho, a festa das fontes, das juras de amor. uma festa tão antiga como a chuva, o sol, o vento, a noite e o dia. uma festa que corre paralela ao regato que nasce na Fonte do Ídolo e se dirige para o Rio Este, um pouco mais abaixo.
então, o que poderá significar Tongoe Nabiago? o raciocínio linguístico de Leite de Vasconcelos está certo. Tongoe está relacionado com "jurar", e Nabia-go está relacionado com "fonte". só não há nada que diga que estejam relacionados com um deus.
não é normal que as inscrições nas fontes se refiram à própria fonte? fonte do amial, fonte de santo antónio, fonte da cheira, fonte da pulga, fonte disto, fonte daquilo? teremos, então, tongoe nabiago: fonte das juras? (ao senhor da) fonte das juras? o mesmo é dizer: fonte de s. joão? (ao) s. joão da fonte? claro que ainda não havia S. João, mas o culto associado ao nome de S. João existe muito antes, antes mesmo de Celico Fronto ter mandado fazer, em cumprimento de um voto, aquele arranjo na fonte que já era santa. culto tão profundo e duradouro que os bisnetos Celico e Lucio daquele ilustre celta se sentiram obrigados a mandar restaurar o monumento. tão profundo e duradouro que cavalgando a fonte e o regato pagãos chegou até hoje em cada 24 de junho.
embora transparente, é apenas uma hipótese...
...mas tem a vantagem de fazer sentido e de trazer de novo a fonte à vida de uma cidade que não sabe muito bem o que fazer com ela.
para mim, que a visitei vezes sem conto, a Fonte do Ídolo está na origem do São João de Braga, mesmo que os linguistas traduzam de outra forma o que lá está escrito.
e merece a distinção que lhe compete, já que faz parte da história e do espírito mais profundo da cidade, por muito que a queiram esconder e ocultar.



quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Maceió

revendo os topónimos terminados em "ó", ocorreu-me o nome da capital do Estado de Alagoas.
Maceió é um topónimo nativo, mas não será tupi-guarani. o seu significado andará à volta de "terreno alagadiço", "lagoas", "charcas". afinal de contas, o mesmo que "Alagoas" pretende significar. os portugueses traduziram, ou cada povo por si deu um nome igual à mesma realidade?
se quer saber um pouco mais de Maceió, e até fazer uma visita um dia, vá por aqui. tem tudo o que precisa de saber. mas cuidado com as decifrações inverosímeis. tradução arrevesada é tradução rejeitada

quarta-feira, 14 de dezembro de 2005

Topónimo Terminado em "ó": menino ou menina?

os topónimos que se seguem são diminutivos femininos de outros topónimos conhecidos. têm o diminutivo latino tardio em -ola. na Galiza costumavam terminar em "óo", mas a norma reintegracionista recomenda a forma portuguesa em "ó". alguns são duplos diminutivos, como Assilhó (Osselola: Ossa, Ossela, Osselola). o diminutivo -ola mantém-se íntegro em alguns topónimos, como Sarrazola/Serrazola, Mariola

vejamos:

Alijó (de A Lixa?) ver Lijó

Anissó (já foi chamada Nizola, pelo que deverá ser o diminut. de "Niza": A Nizola. e deveria, pois, escrever-se "Aniçó")

Arranhó (A Ranha, A Ranhola)

Assilhó (Ossa, Ossela, Osselola) - quem tenha bom ouvido há de reparar que as pessoas da terra dizem "eu vou "à" Assilhó).

Bilhó
Bouçó
Bruçó
Campanhó
Celeiró (também existe o feminino plural Celeirós)
Cerdeiró
Coimbró - diminut. de
Cujó
Eiró
Feijó
Ferreiró
Figueiró (Figueira, Figueirola. é o mesmo que Figueiroa)
Grijó (Ecclesia, Ecclesiola: igreja, igrejinha)
Irijó (o mesmo que Grijó)
Labrujó (é um hidrónimo. diminutivo de Labruja. os rios eram femininos)
Leijó
Lijó (o mesmo que Alijó. tem uma forma anterior: Alyjoo)
Linhó (Linea, Lineola)
Moreiró (Moreira, Moreirola)
Nogueiró
Pardilhó (diminut. de Pardelha)
Pereiró
Pó (?)
Ranhó (diminut. de Ranha. ver Arranhó)
Requeijó (diminut. de Requeija ou Requeixa)
Ribó (Gz.) - (diminut. de Riba)
Sicó (?)
Sobreiró (diminut. de Sobreira)
Teixeiró
Tó (?)

Touguinhó - este topónimo é um duplo diminutivo de "Touga". curiosamente, e pertinho uns dos outros, existem as três formas: "Touga", "Touguinha" (diminutivo de Touga) e "Touguinhó" (diminutivo de Touguinha).

Vinhó

sendo todos esses diminutivos femininos, será muito pouco correto dizer ou escrever, como por aí se ouve e lê, "o Linhó", "o Feijó", "o Grijó", e assim por diante.

sábado, 10 de dezembro de 2005

Os Santos Têm Escolha

Na toponímia é muito frequente encontrar santos, alguns bem estranhos para os nossos hábitos religiosos. é mesmo difícil dizer se é o santo que dá o nome à terra, ou se é a terra que dá o nome ao santo. seja como for, o nome do santo não é indiferente e em certos casos é mesmo possível prever que santo tem a terra ou que tipo de terra tem o santo. Santa Iria só aparece em certos sítios, São João noutros, São Mamede noutros ainda, São Pedro ainda noutros, enfim, a cada um seu brasão e morgadio.

Vamos então descobrir:


Sanfins - ver "São Félix" e "S. Fiz". exº: "Sanfins do Douro"

Santa Eulália, Santa Olaia, Santalla ou Santalha (Gal.), Santa Olalla ou Olalha (Gal.), Santa Ovaia, Santa Vaia:
há pelo menos a Eulália de Barcelona, a de Braga e a de Mérida (três polos da Península Ibérica) embora os três cultos juntos não sejam de grande vulto. estas santas, pelo que era crime de serem cristãs, foram decapitadas. por isso, alguns pequenos "montes, cabeços ou cabeças santas" pagãs adoptaram o seu nome em honra da cabeça perdida. a lenda não inclui o brote de uma fonte, ao contrário de Santa Quitéria

Santa Iria:
esta santa não goza de grande culto popular, mas é frequente encontrá-la na toponímia. associada à ideia de cidade, é um topónimo de origem euskera ou proto-euskera, como Irun, Iruña. a freguesia de Tomar onde se situava o primeiro assentamento populacional chama-se Santa Iria. é provável que este termo esteja presente também em Santarém e em Leiria e que a santidade (sacralidade) provenha do lugar. a antiga Iria Flávia prescindia da santidade, apesar de estar intimamente ligada à lenda de Santiago

Santa Maria:
está onde estava Ísis e, antes dela, a senhora do Leite. é um avatar da Mãe que nutre, a Mãe Natureza. é mais a Nossa Mãe do que propriamente a Mãe de Deus. um excelente exemplo é a Igreja de Santa Maria, em Braga - a famosa Sé, em cujo exterior da cabeceira figura a Senhora do Leite (e a Rua da Senhora do Leite) e em cujas escavações arqueológicas se encontrou a imagem de Ísis

Santa Quitéria (Port. e Bras.):
é uma cristianização muito superficial do culto dos montes, cabeças e cabeços.
a "santa da cabeça" foi decapitada por seu pai, que odiava mais os cristãos do que amaria a filha. está aqui no lugar da "cabeça santa" pagã (o monte, cabeço ou cabeça). para satisfazer o mito ou a lenda da santa, deverá existir uma fonte no local. o hábito de associar a santa a este tipo de lugares passou ao Brasil e à América Latina em geral

Santo Amaro:
a sua festa é a 15 de janeiro. é ou era o padroeiro dos galegos migrados em Portugal. tem sido referenciado como um avatar de uma divindade do panteão celta. há topónimos que dispensam o "santo", ficando apenas "Amaro" ou os seus diminutivos "Amarela" (Pt. e Gz.), "Amareleja" (duplo diminut.?), "Amarelinha" (duplo diminut.), "Amarelo" e "Amarelos"

Santo Tirso:
os seus atributos, a vara de hera e pâmpanos, ligam-no a Baco-Dionisos. é provavelmente um avatar de uma qualidade divina equivalente, a que a população galaica autóctone prestava culto

São Brissos:
este quase desconhecido filho de Deus teria sido discípulo de S. Martinho, e por isso é visto em lugares onde há antas transformadas em estranhas capelas, como em Montemor-o-Novo

São Cristóvão (Gal., Port. e Bras.):
Christophoros é "o que transporta Cristo". porque o Cristo Menino que levou aos ombros (noutras versões da lenda, na barca) pesava tanto como o mundo inteiro, Cristóvão é um avatar de Hércules. e porque levou o Menino de uma margem para a outra do rio, costuma ser padroeiro de lugares onde a travessia do rio, de barca ou a vau, fosse necessária mas difícil. mais difícil ainda é haver "S. Cristóvão" sem um rio de seu. é um santo muito frequente na toponímia brasileira

São Félix (Pt. e Br.) - há vários santos com este nome. mas como este topónimo está associado quase sempre a montes, em Portugal e na Galiza, é possível que se refira a S. Félix eremita, discípulo de S. Frutuoso. a evolução fonética do topónimo tendeu para "S. Fiz" e "Sanfins". porém, no Brasil e em alguns casos portugueses, deu-se uma recuperação erudita do nome inicial. exº: "S. Félix da Marinha"

São Fiz - ver "São Félix" e "Sanfins"

São Galo:
entra em topónimos como "Sangalhos" (Pt.) e "Saint Gallen (CH.). o nome "galo" quer dizer "celta", pelo que, provavelmente será uma forma de cristianizar costumes celtas.

São Gens, S. Gés (Gal.), S. Ginês, Sanxenxo ou Sanjenjo (Gal.):
aqui o caso é mais complicado, porque, podendo arrolar-se uns obscuros Sancti Genesii para oragos destas terras, o mais provável é que a santidade ou sacralidade esteja na gens ou tribo de antepassados que habitavam o respectivo território ou castro

São Gonçalo (de Amarante):
nascido nos meus eidos, é, curiosamente, um santo que nunca foi canonizado (? *). está associado ao casamento das velhas, mas, dadas as particularidades do seu culto, estas velhas devem ser traduzidas por antigas. a sexualidade pagã antiga é o pasto do seu rebanho. está, pois, em lugares onde essa sexualidade tântrica se celebrava, em dias de renascimento da vida, pouco depois, se não dentro, da quadra de Natal, tomando o nome carinhoso de S. Gonçalinho. construiu pontes, a principal das quais terá sido a ponte do diabo entre esse paganismo indo-europeu de base e o cristianismo de cúpula. tem fiéis por exemplo em Amarante, em Aveiro, no Porto e no Brasil, onde o seu culto perdura bem fresco e uma cidade merece o nome de S. Gonçalo de Amarante (RN)

São João:
este santo aparece ligado à água: fontes, pontes, rios. no entanto, há dois S. João, o Baptista e o Evangelista, cada um ligado a seu solstício


São Luís (Br.):
este santo é Luis IX, rei de França, instigador da sétima Cruzada. é muito usado na toponímia ultramarina de origem francesa, como nos Estados Unidos (St. Louis, Louisiana) e no Brasil (exº: S. Luís do Maranhão)

São Macário:
este santo de longas barbas e tanga de folhas convém a lugares altos, ermos, inóspitos, muito afastados das banais preocupações terrenas, onde nem o diabo lá vai

São Mamede:
é um hagiónimo (nome de santo) tomado de empréstimo ao islão (Muhâmmad, O Profeta). aparece em lugares sagrados do paganismo tradicional em território preferencialmente moçárabe. aparece sobretudo ligado a serras ou lugares elevados (o tema Maomé e a Montanha ?)

São Manços:

São Martinho:
há dois S. Martinho, o de Tours (França) e o de Dume (Portugal). são ambos naturais da Panónia, actual Hungria, e estão ambos ligados à cristianização da Gália (França. mas: galos=celtas). S. Martinho de Dume, mais novo dois séculos, está particularmente ligado também à conversão dos suevos, que ocuparam a Galécia (Galiza e Norte de Portugal). estão, pois, associados à cristianização do paganismo ariano, celta e germânico, e da chamada civilização megalítica. S. Martinho de Tours tem como campo de intervenção próprio as antas e os menires. tem discípulos como S. Brissos, a quem coube dar o nome aos locais megalíticos de cristianização mais superficial (ver S. Brissos)

São Miguel:
vê-se em lugares onde sempre se prestou culto a numens alados, a emanações telúricas. líquidas e gasosas. é frequente em termas, rios, mananciais e nascentes. em lugares castrejos, onde tenha havido um culto a uma entidade divina com asas, não é raro aparecer como S. Miguel-O-Anjo.

São Pedro ou S. Pero:
aparece ligado à pedra ou a pedras com uma função iniciática. é particularmente visto em lugares com as chamadas sepulturas antropomórficas, que nem são sepulturas nem antropomórficas. um belissimo exemplo é S. Pedro de Lourosa. também aparece em aldeias de pescadores, como S. Pedro da Afurada. Para ver um exemplo siga o link, que mostra "sepulturas antropomórficas" já sem tampa.

São Romão:
Romão quer dizer "romano". há pelo menos três santos com este nome. São Romão está relacionado com cultos pagãos, alguns dos quais em vigor durante o império romano. como um dos "Romão" foi discípulo de São Martinho, aplica-se o que está dito em "São Brissos" e em "São Martinho".

São Telmo:
na realidade, o nome do padroeiro de Tui é Sant' Elmo ou Erasmo. a sua lenda criou-lhe o perfil adequado para protector de marinheiros, pois que os salvará, sempre que puder, das tempestades do mar. Fica bem como topónimo de antigas comunidades de marujos


-------------------------------------------------------------
(*) no link indicado diz-se que S. Gonçalo terá sido canonizado por Pio IV. outras fontes dizem que não

sexta-feira, 9 de dezembro de 2005

Serras, Montes e Montanhas


tal como acontece com os rios, as serras, montes, cordilheiras, montanhas e serranias devem muito frequentemente o nome que têm a um processo de estratificação linguística, ao longo do qual se repete, em línguas diferentes, o significado de "serra", "montanha", "monte", "penha", "peneda", "penedia". as montanhas, lugar onde nascem os rios e onde brotam fontes termais, são o centro de cultos ancestrais ligados à vida, à saúde e à cura de doenças. são manifestações do sagrado por excelência, mas não são divindades autónomas, no sentido grego tardio do termo. quer dizer, são theos adjectivo (divino), mas não são theos substantivo (deus).

Aboboreira -
Alvão - tema em Alba

Amarela - A Marela? grupo Marão/Marofa/Meira. ver post Mouros e Mouras... ver post Muitas Marias...

Agrela - diminut. de "Arga"?
Arga -
Aveleira - de "A Veleira"?
Barroso -
Bornes -
Bussaco - e não Buçaco. Cf. Bussac (F.)
Cabreira (Pt. e Gz.) - ver post "Cabras e Cabreiras"
Canda (Gz.) - o mesmo que Peneda
Candeeiros - o mesmo que Penedas, Penhas, Penedias
Caramulo - Kar.+Mulo: monte pedregoso. espinhaço?
Carneiro - Karn. monte pedregoso. Cf. Kern, Cornwall, UK
Carvalho - tema em Kar.: pedra. Penha, Peneda?
Cerveira -
Chão da Mulher - "plano do monte"
Espinhaço de Cão -
Espinheira -
Espinheiro -
Espinho -

Estrela - orónimo que se repete um pouco por todo o lado, especialmente em Euskadi (sob a forma "Lizarra" e derivados) e em França ("Esteille", "Esterelle", etc.)

Freita -
Gerês/Jurés/Xurés - Cf. Jura, (F. e CH)

Lapa - a existência da Senhora da Lapa indica que se trata de um monte santo, sagrado

Larouco - como apareceram inscrições dedicadas a uma "divindade" com este nome, é de supor que fosse um monte santo. então, poderemos arriscar que esse "deus" Larouco seria o mesmo que Senhor da Serra, invocação frequente noutras paragens serranas

Marão - ver post Mouros e Mouras...
Marofa -
Meira (Gz.) - ver post Há Muitas Marias...
Miro -
Monchique -
Monsanto - "Monte Santo"
Monsaraz - híbrido lat. Mons + ...? : monte-monte?
Mont'alto

Monte Figo/Montefigo - é um pleonasmo: "monte-monte". atenção aos topónimos "Figueira" e "Figueiró"

Montejunto -
Montemor - de "Monte Maior": "monte grande"
Montemuro - Monte+Muro/Mulo: monte-monte
Montesinho -
Mu -
Mula -
Mulher -
Mulher Boa -
Mullerboa ou Mulherboa (Gz.) -
Mulher Morta -
Mulo -
Muro -
Muros -
Nogueira
Ossa -
Padrela -

Peneda - a existência da Senhora da Peneda indica que se trata de um monte santo, sagrado

Penha - a existência da Senhora da Penha indica que se trata de um monte santo, sagrado
São Mamede (Gz.) - serra galega onde nascem o Rio Lima e o Rio Tâmega
São Mamee (Pt.)

Serra - algumas serras, quase sempre de pequena altitude, têm simplesmente este nome

Sicó -
Soajo -


terça-feira, 6 de dezembro de 2005

Barcas, Barcos e Barquinhas

este grupo de topónimos encontra-se largamente representado em Portugal e na Galiza, sendo também vulgar noutras regiões da Península Ibérica (veja-se Barcelona, antiga Barcino).
aparece em lugares ribeirinhos, propícios à travessia a vau ou através de pontes. o facto de não ter uma raiz indo-europeia, seja latina ou germânica, e parecer muito mais um grupo de topónimos proto-euskera, com um significado próximo de "veiga", "ribeira", "lugar ribeirinho", aponta para uma longa antiguidade desses povoados. em muitos desses lugares há uma zona de acostagem para pequenas embarcações.
de certo modo, pode tratar-se do correspondente ao inglês "Ford".
este topónimo, com a série de homofonias entre várias línguas e a sua localização presta-se a lendas sobre barcas que cruzavam o rio no tempo em que os animais falavam.

A Barca (Gz.)
Albarquel
Barca
Barca da Esteveira
Barca d'Alva
Barcadas
Barca da Trofa
Barca do Concelho
Barca do Lago
Barca do Loureiro
Barca do Mondego
Barca do Pêgo
Barcaia
Barca Nova
Barcarena
Barcaria
Barcegueiras
Barceiro
Barcel
Barcela
Barcelinhos (diminut. de Barcelos)
Barcelos (em analogia com outros topónimos em -celos: gente vinda de A Barca ou de O Barco?)
Barceosa
Barco
Barcoa
Barconha (terra de gente vinda de O Barco?)
Barcouço (?)
Barcoula
Barqueiro
Barqueiros (gente vinda de A Barca, ou de O Barco de Valdeorras?)
O Barco de Valdeorras (Gz.)
Ponte da Barca (aqui a Barca é anterior à Ponte)
Rua da Barca
Vila Nova da Barca
Vila Nova da Barquinha


Nota: os topónimos brasileiros Barcarena e Barcelos são transposições dos topónimos portugueses por gente possivelmente oriunda desses locais